segunda-feira, 30 de maio de 2011

Leituras da minha infância

Hoje foi um de limpeza e, como sempre, encontro coisas que já há muito tempo não lhes punha a vista em cima. Normalmente fico encantada, principalmente quando o compartimento a ser limpo é o sotão. Tenho imensas coisas no meu sotão (afinal quem não tem?), contudo tenho uma que é muito especial...a minha coleção de livros de lia quando era uma menina de dez anitos. Pois é nesse período, que já foi á quase três decadas, não haviam os livros de Harry Potter, mas existiam outros livros onde o suspense e aventura se reunião criando uma atmosfera deliciosa. Existem contemporaneos meus que devem ter colecionado «Os Cinco» ou até mesmo «Os Sete», NÃO EU NÃO GOSTEI NUNCA desses livros, eu bem tentei ler a Coleção dos livros «Os Cinco» mas não gostava, ainda li uns quantos da coleção de «Os Sete» mas também não foram esses que me marcaram...
A minha coleção favorita e que atravessou toda a minha infância foi sem dúvida nenhuma "A Carlota"...pois é.
O primeiro livro que li desta pequena e inteligente menina foi:"A Carlota nas férias de Natal" ai como me deliciei com esta coleção de Gretha Stevns. A mesma escritora que agora não escreve a «Carlota na Noruega» mas escreve, por exemplo «Susy e Os Rapazes das Motorizadas».Muda-se o nome da personagem principal mas os enredos são muito semelhantes...
Pois quem sabe numa tarde de verão não vou reler um dos livros da minha adorada Carlota.
Beijocas e boas leituras;)

domingo, 29 de maio de 2011

"Carta à Minha Filha" de Maya Angelou

Carta à Minha filha
de Maya Angelou
Escrita do coração para milhões de mulheres que considera fazerem parta da sua família
Edição/reimpressão: 2009
Páginas: 188
Editor: Estrela Polar
ISBN: 9789898206350
Coleção: Testemunhos

Sinopse
"Dedicado à filha que nunca teve, Carta À Minha Filha mostra o percurso de Maya Angelou até alcançar uma vida boa e com sentido. Escrito no seu estilo inimitável, este livro está acima de qualquer género ou categoria: é ao mesmo tempo um livro de pequenas histórias, um livro de memórias, mas também um livro de poesia - e é um prazer absoluto.

Em pequenos e fascinantes textos, Maya Angelou permite-nos vislumbrar alguns aspectos da vida tumultuosa que a levou à posição cimeira que ocupa nas letras americanas e lhe ensinou lições de solidariedade e de força: a sua educação por uma avó insubmissa no ambiente de segregação racial do Arkansas, a sua vida a partir dos treze anos com a mãe, uma pessoa muito mais mundana e menos religiosa, até se transformar numa adolescente meio desajeitada, cuja primeira experiência de sexo sem amor a deixou, paradoxalmente, com a sua maior dádiva, um filho.

Maya Angelou escreve do coração para milhões de mulheres que considera fazerem parte da sua família. Como sempre acontece com as suas obras, Carta À Minha Filha é um livro que encanta e ensina. É um livro para estimar, saborear, ler várias vezes e partilhar." (retirado do site wook)
Sobre a escritora:

Maya Angelou

Maya Angelou
Poeta, escritora, actriz, professora e realizadora Maya Angelou passou a infância em Stamps, no Arkansas, tendo depois ido viver para São Francisco. Para além das suas autobiografias, sempre com grande sucesso de vendas, a primeira das quais intitulada I Know the Caged Bird Sings, escreveu um livro de culinária, Hallelujah! The Welcome Table, e cinco colectâneas de poesia, entre as quais I Shall Not Be Moved e Shaker Why Don’t You Sing?
Excerto:
Querida filha,
(...)Cometi muitos erros e, sem dúvida, irei cometer ainda muitos até morrer. Como não posso apagar a história e a única coisa que posso oferecer a Deus é o meu arrependimento, tenho esperança de que as minhas desculpas sinceras tenham sido aceites.
Podes não controlar todos os acontecimentos da tua vida, mas podes decidir não deixar que eles te debilitem. Tenta ser o arco-íris da nuvem de outra pessoa. Não te queixes. Esforça-te por mudar as coisas de que não gostas. Não te lastimes. As lamúrias permitem ao agressor saber que há uma vítima nas redondezas.
Dei à luz uma criança, um rapaz, mas tenho milhares de filhas. Sois brancas e negras, judias e muçulmanas, asiáticas, hispânicas(...)Sois gordas e magras, bonitas e feias, homossexuais e heterossexuais, instruídas e iletradas, e estou a falar para todas vós.
Isto é o que tenho o para vos oferecer." (retirado da contracapa do livro).
Minha opinião:
Pela primeira vez não tenho palavras para descrever o que senti ao longo da leitura desta delícia literária. Este é um livro intemporal um livro que não vai sair da minha mesinha de cabeçeira e se o tirar de lá certamente é para colocar no tablier do carro. O meu corpo e a minha cabeça foram percorridos por muitos sentimentos e por muitos desejos ao longo desta curta, em tempo, mas longa leitura, emocionalmente. Cada carta transporta uma enorme carga emocional, capaz de nos deixar sem palavras e com a cara húmida, ou simplesmente, com um sorriso nos lábios. Contudo e como tudo na vida existe sempre aquela que nos transmite mais alguma coisa e assim sendo, vou postar aqui neste recanto a mais bela entre as belas (pelo menos hoje é esta), intitulada:
Dizer a Verdade
"A minha mãe, Vivian Baxter, avisou-me muitas vezes para não acreditar que as pessoas querem realmente ouvir a verdade quando perguntam:«Como estás?»Dizia que a pergunta era feita em todo o mundo em milhares de línguas, mas a maioria das pessoas era apenas uma maneira de meter conversa. Ninguém espera realmente receber uma resposta nem sequer está interessado em saber:«Bem, os joelhos doem-me tanto que parece que estão partidos e tenho as costas tão desfeitas que só me apetecia atirar-me para o chão a chorar.» Uma resposta desta serviria não para meter conversa, mas para acabar qualquer conversa. Por isso, respondemos todos:"Estou bem, obrigada."
Acredito que é assim que aprendemos a ouvir mentiras "sociais". Olhamos para amigos que emagreceram perigosamente ou estão horríveis de tão gordos e dizemos:"Estás com óptimo aspecto." Toda a gente sabe que é uma mentira descarada, porque não queremos lidar com a verdade. Quem me dera que conseguíssemos acabar com estas pequenas mentiras. Não estou a dizer que temos de ser brutalmente francos. Acho que não há nada que justifique que sejamos rudes; no entanto, uma pessoa sente uma liberdade maravilhosa quando é honesta. Não temos de dizer tudo o que sabemos, mas devemos garantir que aquilo que dizemos corresponde à verdade.
Tenhamos a coragem de dizer às nossas jovens:«Esse cabelo todo mal cortado pode estar na moda, mas não é nada bonito. Não te favorece nada.» E digamos aos nossos jovens:«A fralda da camisa a aparecer por baixo da camisola não te dá um ar cool; faz-te parecer desmazelado e desleixado.» Os cabecilhas da moda de Hollywood decidiram recentemente que usar roupas amarrotadas e ter a barba por fazer era sexy porque dava aos homens o aspecto de terem acabado de levantar-se da cama. Estavam certos e errados. O ar desmazelado dá realmente a sensação de a pessoa ter acabado de sair da cama, mas esse ar não é atraente; é repelente.
As argolas no nariz, nos mamilos e na língua são muito prezadas pelos jovens ainda na idade de experimentar. Embora não goste de as ver, não me incomodam muito porque sei que, quando forem mais velhos, irão aderir às normas dos grupos sociais em que trabalham e vivem. As argolas vão desaparecer, e os jovens irão rezar para que os buracos desapareçam depressa para não terem de explicar aos seus filhos adolescentes por que é que aqueles buracos ali aparecem.
Vamos dizer a verdade às pessoas. Quando nos perguntarem «Como está?», vamos ter a coragem para responder com honestidade de vez em quando. No entanto, é preciso que saibas que as pessoas vão começar a evitar-te, porque também estão mal dos joelhos, dói-lhes a cabeça e não estão interessadas em saber das tuas dores. Mas vamos pensar assim: se as pessoas nos evitarem, vamos ter mais tempo para meditar e tentar descobrir a cura para o que está a afligir-nos.» (retirado da página 47 e 48 do livro Carta à Minha Fillha de Maya Angelou).
Boas leituras;)

Novos na estante...

Fazendo o balanço do mês literário de Maio...desgraça ultrapassei a minha proposta para 2011, que consistia em adquirir durante todo o ano 10 livro. Pois é neste momento estou com onze adquiridos. Este objectivo a que me propôs era deveras bem dificil, e o facto de não o ter cumprido não quer de todo dizer que vou começar a comprar desenfradamente, antes pelo contrário.

As aquisições foram...

"Os Mágicos" de Lev Grossman

e

"O que seria eu sem ti" de Guillaume Musso
Boas leituras;)

sábado, 28 de maio de 2011

Que Susto que eu apanhei....;)


Apanhei um enorme justo, ufa ainda bem que não passou de um susto... O que foi que me aconteceu?
Não conseguia entrar na minha conta, pois é estava a ver o trabalho de quase um ano a ir por água a baixo. Mas felizmente existem pessoas que são extraordinárias... Muito obrigada Paulo Lima do Blogue Clube dos Livros, sem a tua ajuda não tinha conseguido.
Boas leituras ;) a todos que por aqui passam.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

"No seu Mundo" de Jodi Picoult

No Seu Mundo
de Jodi Picoult
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 624
Editor: Livraria Civilização Editora
ISBN: 9789722631877
Sinopse:
"Jacob Hunter é um adolescente: brilhante a Matemática, sentido de humor aguçado, extraordinariamente bem organizado, incapaz de seguir as regras sociais. Jacob tem síndrome de Asperger. Está preso no seu próprio mundo - consciente do mundo exterior e querendo relacionar-se com ele. Jacob tenta ser um rapaz como os outros mas não sabe como o conseguir.
Quando o seu tutor é encontrado morto, todos os sinais típicos da síndrome de Asperger - não olhar as pessoas nos olhos, movimentos descontrolados, acções inapropriadas - são identificados pela Polícia como sinais de culpa. E a mãe de Jacob tem de fazer a si própria a pergunta mais difícil do mundo: será o seu filho capaz de matar?" (Contracapa)
Críticas de imprensa
“Inteligente, obsessivo: No Seu Mundo é um dos melhores livros de Jodi Picoult.”
USA Today
“O soberbo romance de Jodi Picoult faz-nos habitar a solidão de Jacob e viver a sua angústia.”
Washington Post
“Nunca é exagerado salientar a grande escritora que é Jodi Picoult.”
The Finatial Times
“Impossível parar de ler. Ficou na minha mente muito depois de ter acabado.”
Observer
“A autora […] está no seu auge, brilhante e absorvente […] É impossível não se deixar envolver por este drama intrincado e fascinante.”
Cosmopolitan “Book of the Month”
Minha opinião:
Mais um livro de Jodi Picoult que foi lido mais uma história de vidas contada e vivida de um modo tão soberbo como só esta escritora permite aos seus leitores.
Estou completamente rendida a esta escritora, os temas escolhidos para serem abordados nos seus livros são por si só muito pertinentes e controversos, mas a forma como Picoult os aborda torna ainda mais audases a  leitura dos seus livros. Este é o terceiro livro que leio desta escritora, tendo sido o primeiro "Compaixão", o segundo "Para a minha irmã" e agora esta pérola "No seu Mundo". À medida vou descobrindo os seus livros fico cada vez mais rendida, e para ser  sincera até nem é pelos temas abordados mas a forma como esta escritora consegue prender ao enredo, de tal modo que eu entro por completo na história e passo a conviver com elas. Esta convivência é tão intensa e tão minha que muitas vezes tenho que parar de ler o livro, porque entro na história e conheço as personagens como se elas estivessem ao meu lado e eu conseguisse sentir o que elas sentem, ouvir os seus diálogos.
Os temas abordados por Jodi Picoult são temas  polémicos  aos quais julgo  que nenhum leitor consegue passar ao lado, sem fazer uma reflexão pessoal sobre o mesmo.
Este livro não foge à regra dos livros de Jodi Picoult que li até agora, através desta leitura tomei conhecimento do mundo de um Autista e da vida de uma familia que tem um elemento que sofre de um caso específico de Autismo_Sindrome de Asperger.
Este livro tal como os anteriores que li da escritora está dividido em capítulos curtos, cada um dedicado a uma personagem, esta forma de dar voz aos personagens faz com que eu conheça cada personagem como se cada uma fosse a principal,  como se cada uma tivesse uma  voz própria, como se eu como leitora conseguisse ler os pensamentos das personagens.
Devo referir que foi a partir desta leitura que fui lendo alguns textos sobre o Autismo e até comecei a reparar que nas livrarias existia alguns livros interessantes sobre o tema.
Ao longo da leitura a personagem que mais me marcou foi Jacob Hunter, que sofre de Síndrome de Asperger, e vê a realidade de uma forma muito particular – literal, vazia de emoções, não quero dizer com isto que ele não tenha sentimentos, simplesmente encara o mundo literalmente como lhe é dado a entender.
Jess, uma estudante Universitária com quem Jacob tem sessões semanais para aprofundar e melhorar as relações sociais aparece morta. Jacob é o principal suspeito do homicídio dado que as suas palavras e actos levam as autoridades nesse sentido. Mas saberão eles analisar correctamente as pistas e as atitudes de Jacob?
Jacob tem uma paixão por criminologia, gosta de ir aos locais onde ocorrem crimes e tentar perceber como foi...Será que este aspecto da sua personalidade não o vai prejudicar durante a fase do julgamento? Como será lidar no dia a dia com uma pessoa que tem Sindrome de Asperger?
Uma leitura que aconselho vivamente. Mais um livro maravilhosamente escrito sobre um tema que nos leva a refletir.
Boa leitura;)

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Novas entradas na atmosfera...

Afinal não consegui resistir até ao Natal sem fazer aquisições literárias...
Tinha assumido o  compromisso de adquirir no máximo dez livros ao longo deste ano de 2011. Apesar de não ter ultrapassado o número 10, sei que me encontro muito perto para quem ainda está no quinto mês do ano. Já adquiri até hoje nove livros, claro que estes que entraram hoje já estão aqui incluidos.
Não sei se vou conseguir adquirir só os propostos dez livros mas uma coisa eu tenho a certeza, este ano adquiri até à data menos livros do que no mês de Janeiro do ano de 2010 ou de 2009. Por este motivo já me sinto muito feliz, pois a compulsividade em comprar livros já está muito mais controlada. Agora só adquiro livros que já tenho "o olho" neles faz algum tempo, sobre os quais já foi feita uma reflexão sobre a sua provável aquisição e, já vou para a livraria com o nome do livro que quero e não vou somente ver livros e comprar sem ter a noção do verdadeiro valor que aquele livro pode ter para mim. Um outro ponto que tenho em linha de conta na aquisição de livros é o escritor, é um facto que existem escritores que eu sigo e os quais faço questão de ter todas as suas obras, mesmo que não tenha ainda lido todos os que tenho cá em casa,  adquiro o livro que sai, pois são os "meus" escritores e faço questão de seguir toda a sua obra.
Quais os meus escritores de eleição neste momento? Quais os escritores que eu adquiro uma obra sua assim que sai?
Responder a estas questões, neste momento, é fácil para mim, contudo espero que esta resposta se altere ao longo dos tempos, pois é sinal que vou descobrir novos talentos literários.
Neste momento os escritores que sigo, de alma e coração, são:
- Anita Shreve;
- José Rodrigues dos Santos;
- Sveva Casati Modignani;
- Valter Hugo Mãe;
- Guillaume Musso;
- Nora Roberts;
- Carlos Ruiz Zafón;
- Jodi Picoult.

Contudo existe sempre aquele livro cuja sinopse me deixou desejosa para o poder adquirir e ler assim que a vontade me invada. Dentro deste grupo encontrava-se faz algum tempo, o livro "Julieta" de Anne Fortier.

A outra aquisição foi o novo livro de  Jodi Picoult intitulado "Ilusão Perfeita", este claro foi comprado no seguimento da escritora que cada vez me deixa mais encantada.
A próxima aquisição não é em nada difícil de prever...obviamente será o novo livro de Guillaume Musso, intitulado:"O que seria eu sem ti?", em breve vai entrar na minha estante.
Boas leituras;)

terça-feira, 17 de maio de 2011

Já se torna normal...;( O que ler a seguir?!!?


Retirado da net
Depois de ler dois livros sem sentir dificuldade na sua escolha, pois atravesso sempre a fase da indecisão. Desta vez pensei que tal não ia acontecer, pois estava a ler "Duas Irmãs, Um Rei" ao mesmo tempo que estava a terminar "Luz na Neve" e devo referir que estava a entrar muito bem na leitura do primeiro dado que estava a acabar o segundo...
Mas quando a curiosidade fala mais alto,pois é, foi mesmo isso que me aconteceu...como estava tão envolvida na leitura do livro:"Duas irmãs, um Rei" comecei a procurar opniões sobre o livro, mal muito mal mesmo, não volto a fazer isto... querem saber o porquê??!!!
Pois bem passo a explicar...li muitas opniões e pareceres positivos sobre o livro e fiquei muito satisfeita, mesmo muito, quando menos contava li uma opnião que contava a história toda do livro...:(

Detesto saber o que vai acontecer no livro e já não é a primeira vez que tal me acontece... uma vez estava a ler "Equador" e alguém me disse isto:-Vai morrer no final", foi o suficiente para não continuar a leitura... Eu sei que pode parecer uma mania de uma pessoa estranha...talvez até seja mesmo, mas eu nunca disse que queria ser igual aos outros... e não gosto, aliás melhor escrevendo detesto que as pessoas contem nas suas opniões a história final do livro. Uma coisa é deixar no ar o tema e até o aprofundar, mas não revelem o final...por favor. Pelo menos se o fizerem escrevam no inicio da postagem que contém informações fundamentais sobre o final e o desenrolar do livro...
Ou então façam assim, como eu fiz, coloquem esta nota:Atenção: avisam-se todos os leitores do blogue que os textos aqui escritos podem ter spoilers.
Eu sei que estou a ser um pouco chata mas a sério fiquei tão irritada quando vou a ler uma opnião e dou por mim a ler todo o desenrolar do livro...
 
Tudo isto levou-me a entrar novamente naquela fase estranha em que eu não sei em  que pegar para começar a ler...:( Estou farta de pegar em livros bons e ler as primeiras páginas e não sentir motivação e pegar noutro e assim sucessivamente...sou tão inconstante nos meus apetites literários, mas que aborrecimento. Eu sei que tenho livros muito bons e para todos os gostos por aqui nesta minha atmosfera mas o problema está que apetece tudo menos o que paira por aqui na atmosfera caseirinha.
 
E é deveras irritante estar a ler um livro e vir à cabeça e se for pegar naquele para ler...ai como "sofro" com estas alterações de escolhas...
Pois é agora peguei neste primeiro livro da trilogia da herança de Nora Roberts, não sei se vou conseguir continuar a leitura...não sei o que me apetece ler...anda na minha cabeça uma outra leitura ... Millenium e Criatura Maravilhosas...entre muitos outros:(
Detesto ser assim tão conflituosa nas minhas escolhas literárias, acho que vou começar a criar regras, mas estas têm que ser cumpridas, pois caso contrário vou ter sempre este diléma, sempre que termino um livro é um trabalho para escolher o próximo a pegar.
 
Como já tentei pegar num grupo de 10 livros e só pegar noutros livros depois de ler esses 10, mas não funcionou...estou numa fase de ler o que me vier à mão mas com tanta leitura por aqui tenho muita coisinha à mão...eu só queria ler e não pensar mais no que ainda tenho por ler. Eu sei isto é mesmo muito confuso e na volta só eu é que entendo mesmo:(
 
Não sei ainda como vou ultrapassar esta fase, mas uma coisa eu sei tenho que ter mais regras literarias, não sei bem se é este o nome a dar mas a ideia está aqui...

Beijinhos
Boas Leituras;)

sábado, 14 de maio de 2011

Sonhando com livros...

Retirado da net

Adorei esta imagens transmite paz ....

Boas leituras;)

sexta-feira, 13 de maio de 2011

"Luz na Neve" de Anita Shreve

Luz na Neve
de Anita Shreve
Edição/reimpressão: 2005
Páginas: 240
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789724139555
Coleção: Romance
Sinopse
Um admirável romance sobre o amor e a memória, pela aclamada autora de A Praia do Destino.
Os acontecimentos daquela tarde de Dezembro, na qual, juntamente com o pai, encontrou um bebé abandonado na neve, mudarão para sempre a percepção que essa menina de 11 anos tem sobre o mundo e os adultos que a rodeiam. O pai passou por grandes tormentos para se afastar da sociedade, de modo a ultrapassar uma tragédia insuportável. A agora jovem mulher tem de viver com as consequências das terríveis escolhas que fez. E há um detective cuja inteligência é apenas ultrapassada pelo seu sentido de justiça. Escrito sob o ponto de vista de Nicky, agora com 30 anos, que sempre recorda as vívidas imagens daquela fatídica tarde de Dezembro, Luz na Neve é uma história de amor e coragem, de tragédia e redenção, um romance que nos fala das formas que o coração humano sempre encontra para se poder curar. (retirado do site wook)

Minha Opinião:

Esta é uma história simples mas que está escrita de uma forma magnífica e que por isto me prendeu muito desde o inicio até ao fim do livro. Uma família que é dividida pela morte, uma mãe e uma filha de quase um ano morrem de acidente de automóvel, o pai e a outra filha abandonam a cidade e a casa e tudo o que faz lembrar o passado. Com o abandono da cidade onde tudo aconteceu, vem o inicio de uma nova vida numa nova cidade, onde pai e filha de 12 anos vivem isolados de tudo. O Pai vê no seu retiro uma forma de tentar proteger a filha, a filha vive atormentada pelo isolamento forçado.
Nicky é uma menina de 12 anos que vive com o seu pai numa quinta da América rural, um lugar  que fica no fim do caminho. O local foi escolhido pelo pai de Nicky precisamente porque era um lugar isolado, um lugar onde ele podia viver longe de tudo e de todos, longe dos seus pensamentos e recordações.Naquele dia Nicky e o pai foram dar um passeio ao fim do dia através do campo gelado e coberto de neve que rodeava a sua casa, após algum tempo a andar, eles encontram no meio da neve abandonada ao frio e à morte, uma bebé recém nascida, uma bebé que apesar do abandono e do frio consegue sobreviver e desta forma para mudar a vida de  Nicky e a tristeza do pai de Nicky.
Estou simplesmente rendida à escrita de Anita Shreve, um livro com uma história maravilhosa, contada de uma forma extraordinária. Adorei este livro...
Um excelente livro, com um enredo simples mas que a mim me prendeu desde a primeira página, muito bem escrito e com uma mensagem forte e clara.
Uma  leitura que aconselho vivamente e que me deixou com vontade de ler mais coisas desta autora.

Extrato do  livro:
"Os acontecimentos daquela tarde de Dezembro, na qual, juntamente com o pai, encontrou um bebé abandonado na neve, mudarão para sempre a percepção que essa menina de 11 anos tem sobre o mundo e os adultos que a rodeiam. O pai passou por grandes tormentos para se afastar da sociedade, de modo a ultrapassar uma tragédia insuportável. A agora jovem mulher tem de viver com as consequências das terríveis escolhas que fez. E há um detective cuja inteligência é apenas ultrapassada pelo seu sentido de justiça. Escrito sob o ponto de vista de Nicky, agora com 30 anos, que sempre recorda as vívidas imagens daquela fatídica tarde de Dezembro, Luz na Neve é uma história de amor e coragem, de tragédia e redenção, um romance que nos fala das formas que o coração humano sempre encontra para se poder curar." (contracapa)

Boa leitura;)
P.S. Aconselho vivamente a leitura dos livros desta escritora...;)