segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Feliz dia das Bruxas...

História desenvolvida do Dia das Bruxas
"A palavra halloween é originária do inglês, onde é a contração de duas palavras: hallowed - santo e o final "e'en" - noite, ou "All Hallow Eve", que significa Noite de Todos os Santos. É comemorada no dia 31 de Outubro.Tem origem há centenas de anos atrás, onde é hoje a Grã Bretanha e o norte da França. Lá viviam os celtas. Os celtas comemoravam o Halloween. Eles tinham uma religião chamada Wicca. Os sacerdotes wiccas eram chamados druidas.

Para os wiccas, existe um Princípio Criador, que não tem nome e está além de todas as definições. Desse princípio surgiram as duas grandes olaridades, que deram origem ao Universo e a todas as formas de vida: o Princípio Feminino ou Grande Mãe e o Princípio Masculino ou deus Cornífero. Os wiccas acreditam que A Grande Mãe representa a Energia Universal Geradora, o Útero de toda criação. É associada aos mistérios da Lua, da intuição, da noite, da escuridão e da receptividade. A Deusa se mostra com três faces: a Virgem, a Mãe e a Velha Sábia (relacionada à bruxa, na imaginação popular).

Da mesma maneira, acreditam que o deus Cornífero é o símbolo solar da energia masculina, nasceu da Deusa, sendo seu complemento, trazendo para si os atributos da coragem, pensamento lógico, fertilidade, saúde e alegria.

Na wicca, o deus Cornífero nasce da Grande Mãe, cresce, se torna adulto, apaixona-se pela Deusa Virgem, fazem amor, a Deusa fica grávida, o deus Cornífero morre no Inverno e renasce novamente, fechando o ciclo do renascimento, que coincide com os ciclos da natureza.


O dia 31 de Outubro é o dia em que o mundo dos homens e o mundo dos espíritos estão mais próximos. Os espíritos procuram o fervor do fogo do Samhain e a comunhão com seus parentes vivos. É tempo de lembrar seus mortos. Vemos aqui, que a data de 01 de Novembro, para os católicos, não é mera coincidência, pois o "Dia de Todos os Santos", para os católicos, era no mês de Maio. Essa mudança aconteceu porque o Papa Gregório III, em 835, mudou a data de comemoração ao "Dia de Todos os Santos" para 01 de Novembro para apaziguar a situação nos territórios pagãos, recém-conquistados no noroeste da Europa, coincidindo com o "Dia de Samhain"" (retirado daqui )

Após esta breve pesquisa na internet fiquei a saber mais sobre o Dia das Bruxas...

Feliz dia das Bruxas...

sábado, 29 de outubro de 2011

Novos na minha estante...

Este mês adquiri três livros e estou desejosa por começar a poder devorá-los ...literalmente falando.
Não é muito difícil para quem vai conhecendo os meus autores favoritos adivinhar que o último livro da escritora Sveva Casati Modignani, intitulado:"Mister Gregory" tinha que ser um dos adquiridos. Outro é o de Carlos Ruiz Zafón que é uma trilogia pelo que me tenho apercebido e que este é o primeiro volume e que se intitula:"O Príncipe da Neblina". Por fim e porque não passo de uma grande teimosa, pois teimo em perseguir este escritor sem nunca ter lido nada dele, mesmo assim tenho os seus livros todinhos, claro que estou a  referir-me a José Rodrigues dos Santos e o livro, já alvo de muitas críticas e nem todas muito favoráveis, é "O Último Segredo". 
Vão ser certamente momentos bem passados, desde que esteja num momento de paz interior que me permita entregar ao livro, ao seu mundo e às suas personagens.

Já agora estou a adorar o livro da Sveva que ando a ler "Feminino no Singular", peguei tantas vezes nele e agora sim é o momento certo, por isso nunca desisto de um livro, só o guardo para a altura certa...

Boas leituras;)

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Desculpem-me a falta de tempo....

O tempo é cada vez mais escasso, ou será que eu não estou a conseguir saber gerir bem o meu tempo?!

Não sei bem qual destes é o meu problema, se a má gestão do meu tempo se o ter tempo a mais ou ter tempo a menos. Mas uma coisa é certinha ando com um problema com o tempo. 

E não é o sol ou a chuva, as altas ou baixas temperaturas são mesmo os segundos, minutos e horas, que se transformam em tardes e manhãs e de repente em dias e semanas...o tempo vai passando e eu a olhar sem nada fazer para o fazer parar. Talvez o fato de pensar tanto nele faça com que não o consiga aproveitar devidamente. Acrescentar horas ao dia para ter o meu tempo ou quem sabe retirar horas ao dia e colocar na noite para conseguir dormir mais tempo...

Mas aqui em redor do tempo, tempo vai ou tempo vem...o fato é que não tenho tido tempo nem mesmo vontade para ler. Quando isso me acontece, fato que na minha pessoa é muito frequente, tento pelo menos ter tempo para andar a cuscar nos blogues literários a ver se encontro algo para ler e dar paz ao meu espírito. Mas não tenho tido nem tempo e desculpem-me se vou ser muito franca, nem paciência. Começo a ver e dá-me o cansaço mental, ou seja, lá qual é o nome...simplesmente fico com uma enorme branca...

Estava a ler "A Sombra do Vento" mas não correspondeu às elevadas expectativas que trazia para este  livro, pois li "O Jogo do Anjo" e simplesmente adorei, este que estava a ler achei por bem dar um tempo ao livro de modo a que ele me consiga pegar a jeito de o descobrir. Pois cada vez mais acredito que não sou eu que escolho o livro mas sim ele que me escolhe a mim, no momento certo a mão desloca-se para o livro que quer ser lido por mim.
Por isso já não tenho anseios por ter que colocar um livro de lado, porque pela minha experiência sei que vou acabar por lhe pegar e deliciar-me com ele. Talvez depois até comente para comigo, como é que eu não gostei deste livro?, afinal este livro é uma relíquia e eu não sabia o que estava a perder com ele ali na estante...

Sempre que sinto que ando com menos paciência para esta coisa que é viver, acabo por deixar que isso se reflicta na leitura, pois a minha concentração diminui e eu fico murcha e sem tempo para mim...aquele tempo em que eu sei que gosto de sentir que é meu, a hora da minha leitura, a hora do meu café, a hora do meu telemóvel ser desligado, pois aquela é a minha hora, a hora de relaxar e refletir, saborear o livro, passear na praia, escrever algo ou simplesmente bebericar um café e escutar a conversa da mesa vizinha (é feio eu sei mas quem nunca o fez? ;))

Desculpem-me a falta de tempo que tenho tido para aqui vir e para escrever. O meu obrigada por ainda cá virem, por acreditarem neste blogue e por me apoiarem sempre que atravesso estas fases de delírios literários. 
Não sei o que vou ler mas vou procurar por aqui na estante e ver o que à para ler e tentar que um qualquer livro me pisque o olhito e eu o vá saborear.
Beijinhos e Boas Leituras;)

domingo, 9 de outubro de 2011

"O Executor" de Lars Kepler


Título original:"Paganinikontraktet"
Título em português:"O Executor"
Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 528
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04331-3
Idioma: Português

Sinopse:
                
“Uma mulher aparece misteriosamente morta numa embarcação de recreio ao largo do arquipélago de Estocolmo. O seu corpo está seco, mas a autópsia revela que os pulmões estão cheios de água. No dia seguinte, Carl Palmcrona, diretor-geral de Armamento e Infraestruturas de Defesa da Suécia, é encontrado enforcado em casa. O corpo parece flutuar ao som de uma enigmática música de violino que ecoa por todo o apartamento.
Chamado ao local, o comissário da polícia Joona Lina sabe que na sua profissão não se pode deixar enganar pelas aparências e que um presumível suicídio não é razão suficiente para fechar o caso. Haverá possibilidade de estes dois casos estarem relacionados? O que poderia unir duas pessoas que aparentemente não se conheciam?
Longe de imaginar o que está por detrás destas mortes, Joona Lina mergulhará numa investigação que o conduzirá, através de uma vertiginosa sucessão de acontecimentos, a uma descoberta diabólica. Existem pactos que nem mesmo a morte pode quebrar…
(retirado da contracapa do livro)

O autor, Lars Kepler:


"Lars Kepler é o pseudónimo de uma dupla de escritores de sucesso na Suécia: Alexander Ahndoril e Alexandra Coelho Ahndoril. O Hipnotista foi o primeiro livro que escreveram juntos.
Alexander Ahndoril nasceu em Estocolmo, em 1967. Dramaturgo e romancista, publicou o seu primeiro romance, The Diretor, em 1989 e é considerado um dos jovens escritores de referência na nova literatura sueca. A sua obra conta já com oito romances e quinze peças de teatro. 
Alexandra Coelho Ahndoril nasceu em 1966. Filha de mãe portuguesa, cresceu em Helsingborg e vive em Estocolmo. Divide o seu tempo entre a escrita, a crítica literária e uma tese sobre Fernando Pessoa. Com o primeiro romance,Castle of Stars, publicado em 2003, obteve o Catapult Prize 2003 para a melhor obra de estreia, conquistando a admiração de milhares de leitores na Suécia. Entretanto, publicou já mais dois romances." (retirado do site wook)

Minha opinião:
Devo referir que nunca tinha lido um policial, ou melhor dizendo o único policial que li foi:”O Código da Vinci” de Dan Brown, por isso considero que o meu conhecimento neste género de leitura é nulo.
Contudo, e apesar de não ter muito conhecimento na área, sei ver quando um livro está bem escrito e tem enredo, e este livro tem isso tudo e mais alguma coisa. Adorei a leitura deste policial, gostei imenso do modo como a narrativa começa, apresentando desde logo ao leitor dois assassinatos: Uma jovem mulher num aparece morta numa embarcação, corpo seco mas os pulmões cheios de água, o diretor-geral de Armamento e Infraestruturas de Defesa da Suécia aparece morto no seu apartamento, mais concretamente…enforcado. Nada melhor que estas pitadas para dar logo um impulso à leitura. Claro está que tive algumas dificuldades em entrar no enredo do livro, pois não estou habituada a este tipo de escrita, quase que alucinante, sempre com dados novos e passo a expressão “sempre a abrir”. Pelo menos foi isto que eu senti quando lia o livro, não senti as páginas a passar foi um livro que li sem notar o desfolhar das páginas. Enquanto lia parecia que estava a ver um filme policial género que gosto mas não sou muito fã, contudo deste estava a adorar. Fiquei deveras fã desta dupla de escritores suecos. Tenho cá em casa um outro livro que é “O Hipnotista” que pelo que li está a ser adaptado ao cinema.
Um aspecto muito positivo foi a descoberta de um novo género literário que quero começar a ler mais frequentemente. Gostei da intriga, do mistério e do enredo deste livro. Adorei a personagem Jonna Linna, comissário da polícia que pela descrição feita ao longo do livro associei ao actor Daniel Craig,  não me perguntem o porquê pois não sei responder. Gostei da personagem Alex do modo como  o seu problema foi abordado, isto é, a  dificuldade em dormir era o seu maior problema, nem era bem dificuldade, ele simplesmente não dormia, a não ser que… Pois é não quero revelar muito sobre este livro mas aconselho vivamente a sua leitura, principalmente aos que dizem como eu dizia …”não gosto de policiais”.
Leiam que não se vão arrepender;)

Boas leituras.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

"Por Ti Resistirei" de Júlio Magalhães

Título:"Por Ti Resistirei"
Autor:Júlio Magalhães
6.º Edição: Julho de 2011
Páginas: 263
Editor: A Esfera dos Livros
ISBN: 9789896263256

Sinopse
Carlos e Nicole conheceram-se nas ruas de Paris. As tropas alemãs avançavam em passo forte e determinado, mas todos acreditavam que a capital francesa estava a salvo da loucura de Adolf Hitler. Enganavam-se. Em poucas semanas, as tropas nazis estavam às portas de Paris e milhares de refugiados procuravam salvação. Nicole encontrou-a em Bordéus pelas mãos do embaixador Aristides de Sousa Mendes que lhe entregou um visto para chegar até Portugal, onde finalmente cairia nos braços do seu amado. Longe da guerra, longe do perigo, longe do estigma de ser judia, seria finalmente feliz. Mas há preconceitos que são difíceis de quebrar e mais uma vez os dois amantes são obrigados a seguir caminhos diferentes.
Carlos fica em Lisboa, entre os negócios do pai, um homem influente na sociedade salazarista e a doença da mãe. Nicole parte para Londres, uma cidade que vive dias dramáticos sob a ameaça de ser bombardeada pela aviação alemã. Participa no esforço de guerra da melhor forma que sabe, vestindo a farda de enfermeira, pondo em risco a sua vida para ajudar os outros. Na esperança de conseguir esquecer Carlos. Contudo no meio dos escombros da Segunda Guerra Mundial há um amor capaz de resistir a tudo.
O Escritor, Júlio Magalhães


"Júlio Magalhães é o director de informação da TVI. 
Nascido no Porto a 7 de Fevereiro de 1963, foi para Angola com sete meses, tendo vivido um ano em Luanda e doze em Sá da Bandeira (Lubango). Em 1975 regressou para Portugal, mais precisamente, para a cidade do Porto.
Aos dezasseis anos, iniciou a sua carreira como colaborador de O Comércio do Porto na área do desporto. Dois anos mais tarde integrava os quadros do mesmo jornal. Trabalhou ainda no jornal Europeu, no semanário O Liberal, naRádio Nova e, em 1990, estreou-se na RTP onde, para além de jornalista e repórter, apresentou o programa da manhã e o Jornal da Tarde." (retirado do site wook)
Outros Títulos do escritor que quero muito ler:
"Longe do meu coração" e "Amor em tempo de guerra"...não os tenho por isso aceitam-se ofertas;)
Minha opinião:
Adorei a sério gostei muito deste livro e foi sem sombra de dúvida um escritor_jornalista que me surpreendeu pela positiva. Recomendo vivamente a sua leitura para quem gosta do género Romance histórico, ou talvez, só Romance não sei muito bem onde enquadrar este livro, só sei que gostei muito.
Este é um escritor que, tal como, já deve ter dado para perceber nunca tinha lido nada  mas já tinha lido algumas opiniões por aqui na blogosfera. 
Li e gostei muito dos  momentos que este livro me proporcionou, foi uma leitura feita de modo lento simplesmente por falta de tempo. O trabalho tem sido mais que muito, mas todos os bocadinhos que arranjava eram para ler nem que fosse uma simples frase.
A história de Carlos e Nicole retrata bem a época e os costumes da época, o escritor conseguiu e a meu ver muito bem, transportar o leitor, neste caso euzinha, para a época da segunda guerra mundial. Um amor aparentemente impossível, entre uma enfermeira francesa que quer ajudar a sua pátria a lutar contra  o regime de Hitler e Carlos, filho de um dos homens mais ricos da época e simpatizante de Salazar, com conhecimentos na PIDE e com dinheiro suficiente para subornar qualquer pessoa que fosse subornável.
Não quero relatar muito sobre esta história, mas quero só deixar um conselho, leiam este livro e deixem-se levar pela história não exigindo mais do que aquilo que lá está, saboreando os relatos, que apesar de serem breves são intensos, e se me permitem mais um conselho leiam quando souberem que podem ler de seguida, ou seja, férias é o período mais aconselhável para saborear este livro. Tenho a plena noção de que teria ainda desfrutado mais da leitura se a tivesse feito num momento com menos trabalho.
Adorei a leitura e vou seguir este escritor. Aconselho vivamente...
Boas leituras;)