sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Minha Opinião sobre o livro "A noite de Natal" de Sophia de Mello Breyner Andresen


A Noite de Natal
de Sophia de Mello Breyner Andresen
Edição/reimpressão: 2003
Páginas: 32
Editor: Figueirinhas
ISBN: 9789726611929

Sinopse:

Era uma vez uma menina rica, chamada Joana. Apesar de ser rica, Joana não tinha ninguém para brincar. Um dia, viu passar um rapaz pobre e pensou que seria um amigo perfeito…ficaram amigos!
Na noite de Natal, Manuel, o rapaz pobre, não recebia presentes, por isso Joana foi dar-lhe três dos seus presentes, que tinha recebido.
Quando chegou ao pinhal, percebeu que não sabia onde ficava a cabana onde Manuel vivia. Mas olhou para o céu e viu uma estrela e resolveu segui-la. Pouco depois, encontrou Três Reis do Oriente que também a seguiam.
Quando chegou à cabana, viu Manuel e ao seu lado estavam um burro e uma vaca como no presépio em Belém.

Minha Opinião:

Gostei muito deste livro, não tinha conhecimento dele e quando lhe peguei li logo de imediato. Este é um livro que nos transporta para a amizade e para o natal e como eu acho que está tudo na sinopse não tenho muito mais a acrescentar. 
Este livro tal como o livro "A Árvore" são aconselhados dos 8 aos 80 anos, leiam não se iram arrepender.
Boas leituras;)

Minha Opinião sobre o livro "A árvore" de Sophia de Mello Breyner Andresen

A Árvore
de Sophia de Mello Breyner Andresen
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 32
Editor: Figueirinhas
ISBN: 9789898230188

Sinopse:
Este pequeno livro é composto por dois contos: A Árvore e O Espelho ou o Retrato Vivo. Em A Árvore conta-se a história de uma frondosa árvore plantada numa ilha japonesa. Quando a árvore se tornou grande demais para a ilha, cortaram-na e fizeram dela uma barca. No lugar da árvore, foram plantadas cerejeiras que mais tarde deram origem à grande festa daquela ilha. Em O Espelho ou o Retrato Vivo conta-se a história de uma família, também ela japonesa. Numa grande viagem que faz, o chefe da família traz como recordação para a esposa um espelho, objecto considerado novidade nas regiões do interior. Anos mais tarde, a mãe entrega o espelho à filha, para que esta a veja sempre, mesmo sem a sua presença. Em nota introdutória aos dois contos, Sophia de Mello Breyner explica aos seus leitores que ambos foram inspirados em contos japoneses, um relembrado de livros de infância, o outro contado por um escritor japonês. Ambos os contos têm os traços habituais do Japão, o culto da Natureza, o respeito pelos mais velhos, a cordialidade entre as pessoas. Sophia conseguiu, portanto, colocar na escrita a beleza e a poesia associada a essa nação oriental. São contos curtos, que se lêem rapidamente e com muito gosto, como só as coisas simples conseguem ser.

Minha opinião:
Como já foi referido na sinopse, este livro tem dois contos o primeiro é "A árvore", cujo nome dá origem ao título do livro. Este conto tal como o seguinte são inspirados em dois contos tradicionais japoneses.
O porquê desta leitura é simples faz parte do plano nacional de leitura do 6.º ano e foi mais  uma leitura conjunta com a minha sobrinha que anda no referido ano. Mas não foi só por esse motivo, eu na realidade adoro esta escritora e sempre que me vem parar às mãos uma obra sua seja prosa ou poema eu leio e devo dizer que aprendo sempre alguma lição para a vida.
Uma história intitulada “A Árvore” que fala de uma árvore que se localizava na ilha do Japão. Toda a gente adorava aquela árvore, era grande, esbelta, frondosa. Dava sombra a quem quisesse a ter, os habitantes do Japão veneravam-na…
Até que os habitantes se fartaram, porque aquela árvore chegou ao ponto de ser tão grande, de ter ramos tão grandes, que assombrava toda uma parte da ilha, esta ficava todo o dia, toda a noite, ás escuras, o povo então andava triste, deprimido. Fez-se reuniões, para decidir como iriam resolver esse problema, discutiram, discutiram, discutiram. Então chegou-se à conclusão que se tinha que cortar esta árvore que lhe tinha dado tantas alegrias. Cortaram-na. Plantaram-se lá cerejeiras, pelo menos estas árvores, não cresciam tanto. Com a madeira da árvore cortada, eles fizeram barcos, que lhes deram muitas alegrias, fizeram muitos negócios. Esta madeira também fora repartida pelas pessoas da ilha, com ela também as pessoas fizeram coisas que lhes lembra-se esta bela árvore. Este povo a partir daqui tornou-se mais animado e rico, mas mesmo assim estes habitantes ainda se lembravam e lamentavam daquela árvore. Mas os anos passaram-se e a madeira das barcas que construíram foi apodrecendo, os habitantes daquela ilha choravam. O que vai ser de nós? Era uma pergunta em que aquele povo demonstrava o seu desespero, os negócios iam-se acabar. Então com esta madeira construíram uma biwa que era uma espécie de guitarra, mas esta era japonesa, esta guitarra fazia lhes lembrar aquela bela árvore, então o povo percebeu que a memória desta árvore nunca mais se perderia.

A segunda história está intitulada de “O espelho ou o retrato vivo” que nos conta uma história de uma família com a mãe, o pai e uma filha que viviam numa casa bela e limpa.
O pai, da menina que era o retrato vivo da sua mãe era negociante de chá, e certo dia teve que ir a Kioto, capital do Japão. A sua mulher ficou muito preocupada, mas o marido sossegou-a e disse que demoraria o mínimo tempo possível e lhe traria presentes. O pai esteve fora quatro meses. Mas certo dia um vizinho veio-lhe bater à porta dizendo que avistara o seu marido. Ficaram os três muito contentes por estarem outra vez juntos. O homem deu-lhes os presentes que trazia, estes eram muitos, mas uma sobressaiu-se, um espelho, ali era raro, mas em Kioto já era muito utilizado. O marido perguntava-lhe o que via. A mulher olhou o espelho e disse que via a mulher mais bela que ela já vira. O marido verbalizou que a mulher era pateta e que o que ela via era o seu retrato. 
Todos os dias a mulher olhava-se ao espelho, e como se achava tão bela, a mulher tornou-se fútil, orgulhosa, tonta, vaidosa. Com isto tudo a mulher resolveu guardar o espelho. Mas um dia a mulher estava quase a morrer, e lembrou-se do espelho, e com medo que a filha o encontra-se e se tornasse como ela, como a filha era muito parecida com a mãe, esta mandou a filha ir buscar o espelho, e disse-lhe que poderia vê-la sempre que quisesse, mesmo estando morta, assim foi e a filha não se tornou como a mãe e ela e o seu pai viveram muito contentes…

Uma leitura que aconselho vivamente, que me fez relembrar os meus tempos de infância que gostava que as minhas irmãs lessem para mim antes de adormecer. Agora vou procurar aqui por casa outros livros maravilha para saborear.
Classificação: 5 de 6
Boas leituras ;)

Sophia de Mello Breyner Andresen _ A Escritora_


Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu no Porto, em 6 de Novembro de 1916, e faleceu em  Lisboa, em 2 de Julho de 2004. Pelo lado paterno, é de origem dinamarquesa. Vive a sua infância na Quinta do Campo Alegre, da qual diz ter sido "um território fabuloso com uma grande e rica família servida por uma criadagem numerosa". Influenciada pelo avô materno, Thomaz Mello Breyner, cedo começa a tomar contacto com os grandes escritores portugueses. 
Os seus pais alugavam uma casa na praia da Granja para passar férias de Verão. A Quinta do Campo Alegre e a casa da praia da Granja, voltada para o mar, estão omnipresentes na sua obra, pois ali passou uma infância feliz, uma adolescência e juventude muito sadias. Contudo, a casa da Granja destaca-se, pois a voz do mar, dos búzios, dos corais ficará para sempre gravada no seu coração e será a sua musa inspiradora. 
Em 1947, já casada com Francisco Sousa Tavares, inscreve-se na Assembleia da Granja, frequentada pela elite cultural do Porto e por muitos espanhóis cultos. Do seu casamento nasceram cinco filhos, um dos quais o conhecido jornalista Miguel Sousa Tavares. 
Instalada em Lisboa, matricula-se em Filologia Clássica na Faculdade de Letras. Apesar de não ter concluído o curso, contacta com a cultura clássica que muito a veio a influenciar. 
Nascida e criada na velha aristocracia portuguesa, educada nos valores tradicionais da moral cristã, dirigente de movimentos universitários católicos, vem a tornar-se uma das figuras mais representativas de uma atitude política liberal, denunciando os falsos critérios do regime salazarista e os seus seguidores  mais radicais. Em 1975, foi eleita para a Assembleia Constituinte pelo círculo do Porto numa lista do Partido Socialista, enquanto o seu marido navegava rumo ao Partido Social Democrata. 
Também dedicou especial atenção à literatura infanto-juvenil

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Opinião sobre o livro"Princesa Laranjada" de Pedro Sena-Lino


Princesa Laranjada
de Pedro Sena-Lino
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 40
Editor: Booklândia
ISBN: 9789896282158
Faixa etária: dos 8 aos 90 anos

Sinopse:
Dentro das Laranjas há princesas, Sumo de princesas, Laranjada de princesas, princesada.
Minha Opinião:
Eu gosto de ler livros infantis, acho que nos transmitem lições que por vezes a vida nos faz esquecer. Por isso sempre que posso peço aos meus sobrinhos uns quantos livrinhos infantis emprestados.
Desta vez calhou ler e saborear em menos de uma horita o livro " Princesa Laranjada", devo dizer que o que mais me chamou a atenção neste livro é o facto de ser todo ele escrito em rima. Devo também referir que este conto é uma adaptação do conto tradicional As três Cidras do Amor. Não posso deixar passar as belas ilustrações da autoria de Estela Baptista Costa.

É uma história simples que entrelaça três laranjas com meninas lá dentro, um príncipe e  uma bruxa muito má. Não vou contar mais do que isto, pois se contar conto a história e o leitor perde a beleza do conto. 
Só gostava de referir que a lição deste conto é que sermos maus não compensa, devemos fazer sempre o bem e nunca praticar a  maldade pois depois seremos penalizados.
Beijinhos e boas leituras;)

Pedro Sena-Lino _ O escritor:

Nasceu em Lisboa na Páscoa de 1977.

Licenciou-se em Estudos Portugueses na Universidade Nova de Lisboa, onde concluiu o Mestrado em Literaturas Românicas sobre José Régio.É investigador do projecto “Portuguese Women Writers” (FCSH / UNL).É formador em Escrita Criativa desde 2000, tendo sido já responsável por mais de cem actividades de formação. Fundou a Companhia do Eu, escola de escrita criativa, de que é Director, em 2005, ministrando vários cursos por si desenhados e orientados: escrita criativa, oficina de personagens, oficina de ficção, oficina de conto, auto-biografia.É autor de dois Cursos de Escrita Criativa - Criative-se e Uma Costela de Quem? Um Manual de Construção de Personagens (Porto Editora, 2008).Ensaísta e poeta, publicou o seu primeiro romance em 2009 pela Porto Editor

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Minha opinião do livro "Diário de uma Mãe" de James Patterson


Diário de uma Mãe
Edição/reimpressão: 2003
Páginas: 240
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722329873
Coleção: Grandes Narrativas

Sinopse:
Katie trabalha numa prestigiada editora em Nova Iorque quando conhece Matt, o homem perfeito em tudo o que ela tinha imaginado e que está à sua frente a pedir-lhe que ela publique o seu livro de contos. O amor entre os dois inevitavelmente acontece e uma vibrante relação é vivida ao longo de onze meses. Mas um dia, sem explicação, ele desaparece deixando apenas um diário, escrito por uma mulher chamada Suzanne. Recentemente mãe, Suzanne descrevia como conheceu o pai do seu filho Nicholas, quais as suas perspectivas de família e esperanças de casamento e como se sentia feliz em ter uma criança na vida dela. Ao ler este comovente documento Katie percebeu que o homem que a tinha acabado de deixar era o marido e o pai desta jovem família. Estranhamente surpreendida será que o seu amor resistirá ao choque?

Minha Opinião:

Isto é inacreditável, já tinha este livro na minha estante desde 2003, comprei-o por impulso certamente e nunca mais peguei nele. Numa das pesquisas e leituras das opiniões dos livros encontrei no blogue "Era Uma Vez..." uma opinião simples sobre este livro e um outro do mesmo escritor "Abre o teu coração", fiquei curiosa e andei a vasculhar na minha biblioteca e não encontrava mas depois de alguns dias estava mesmo à minha frente.

Não sei o que escrever sobres este livro, para além dos chavões maravilhoso, adorei, foi o melhor que li este ano, todas as pessoas deveriam ler este livro. 
Considero este livro uma lição de vida e para a vida. Tal como se pode ver no título é o diário de uma mãe, mas eu atrevo-me a dizer que é bem mais do que isso é um  diário  de vida, que nos toca no mais profundo de nós e nos ensina de uma forma deliciosa, mas dolorosa a dar valor ao dia de hoje, e a cada dia em que acordamos_é um outro dia_ e tal como vem no livro "Não é uma sorte?". 
A vida de Matt é simples ele tem tudo que um amigo pode querer, o filho que uma mãe pode desejar e o homem que todas as mulheres gostariam de ter. A sua capacidade de amar é terrivelmente arrebatadora, mas nem sempre a vida foi fácil o que fez com que ele aprendesse a dar valor a tudo que fosse sincero e genuíno. Matt ficou sem pai aos 8 anos e não conseguiu ultrapassar essa dor, o seu primeiro amor deixou-o, até que ele encontra Suzanne, médica de província, como gostava de se intitular, ela também tinha saído de uma relação que destruíra o seu coração, para além disso tem mesmo um problema de coração que se vai agravando com o tempo.
Matt passou os  anos mais belos ao lado desta mulher que lhe dera um filho Nicholas, ao qual é dedicado este diário. Mas temos a personagem Kate, que é abandonada por Matt sem saber porquê e a quem Matt entrega o Diário após terminar a relação.
Bom não vou contar mais nada, só gostava de deixar uma frase do livro que  me fez reflectir muito...."temos 5 bolas no nosso dia a dia, a do trabalho é de borracha, a família, saúde, amigos, integridade, são as preciosas bolas de vidro.

Classificação: Adorei_ 5 de 6.
Boas leituras;)

James Patterson_Autor_


“Em janeiro de 2010, o The New York Times Magazine caracterizado James Patterson em sua capa e saudou-o como tendo "transformou editorial." Tempo revista nomeou-o "O Homem que não podem faltar", e ele é uma escolha de dois filhos do Tempo Book Award "Autor do Ano" candidato, uma designação decidida por mais de 15.000 crianças e adolescentes leitores.
Nos últimos três anos, James Patterson vendeu mais livros do que qualquer outro autor (de acordo com Bookscan) e, no total, os livros de James ter vendido cerca de 260 milhões de cópias em todo o mundo. Desde 2006, um em cada 17 livros de capa dura vendidos de ficção era um título Patterson. Ele é o primeiro autor a ter # 1 novos títulos simultaneamente no The New York Times adulto e listas de crianças best-sellers e é o único autor a ter cinco novos capa dura estréia romances em # 1 na lista em uma façanha do ano um recorde que ele é realizadas a cada dois anos desde 2005. Até à data, James Patterson teve 19 consecutivos # 1 New York Times bestselling romances, e detém o New York Times recorde de mais títulos de capa dura mais vendidos ficção por um único autor (76 no total), que também é um Guinness World Record .
A partir de suas James Patterson Prêmios Pageturner (que grupos e indivíduos para recompensados ​​formas criativas e eficazes de espalhar a alegria da leitura) para o seu site ReadKiddoRead.com (que ajuda adultos a encontrar livros que as crianças são a certeza de amor) para suas doações regulares de milhares de livros para as tropas no exterior, Patterson é um campeão ao longo da vida dos livros e da leitura. Seu aclamado Maximum Ride série estreou no New York Times lista de best-sellers em # 1 e permaneceu lá por 12 semanas seguidas. A série tem, até agora, 94 aparições cumulativos sobre o New York Times best-sellers listas, provando que as crianças de todas as idades adoram viradores de páginas. Ele capturou a atenção dos leitores menino com Daniel X série, e sua terceira série para leitores de todas as idades estreou em dezembro de 2009 com Witch & Assistente , que passou cinco semanas consecutivas no topo do New York Times lista de best-sellers.
Patterson é o criador da série de detetive mais vendido nova dos últimos doze anos, com Alex Cruz e incluindo o Hollywood-adaptado " Along Came a Spider "e" Kiss the Girls . ", estrelado por Academy Award-winning actor Morgan Freeman Ele também é o criador da série Detective # 1 novo nos últimos cinco anos, com Lindsay Boxer e Clube da Mulher Murder , de que a série dramática de televisão ABC foi adaptado. Ele é autor de livros atrás de seis filmes sobre a via rápida de Hollywood, incluindo o próximo máxima passeio próximo filme de Avi Arad, o produtor de X-Men e Homem-Aranha.
Ele é o autor de novelas - de O Número Berryman Thomas (1976) para Lua de Mel (2005) - que já ganhou prêmios, incluindo o Edgar, Thriller Mistério BCA Guild of the Year, o thriller Internacional do Ano, e Digest do Leitor Prêmio Escolha do Leitor. E, ele ganhou Escolha Crianças Escolha de livros infantis Conselho de Prêmios "Autor do Ano" (2010).
Uma das Forbes celebridade da revista 100, James fez uma aparição no popular programa de TV FOX "Os Simpsons", em março de 2007.” Retirado na integra do site http://www.jamespatterson.com

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Opinião sobre o livro "A viagem de Luz e de Quim" de Fátima Lopes

A Viagem de Luz e Quim
de Fátima Lopes
Edição/reimpressão: 2009
Páginas: 171
Editor: A Esfera dos Livros
ISBN: 9789896261474

Sinopse
«Uma pessoa que não sonha, não evolui, não vive coisas novas, não passa da cepa torta. São realmente os sonhos que comandam a nossa vida. Quando se deseja e acredita muito numa coisa, ela acontece e no momento certo. Mas acontece, se for o melhor para nós, porque às vezes a vida está preparada para nos dar ainda mais do que sonhámos. Temos é de ser positivos, porque isso abre-nos portas». 

Anos 50. Luz e Quim, duas crianças de 10 e 9 anos, vivem numa pequena aldeia de Portugal entre as dificuldades da vida do campo e a alegria de uma infância feliz passada entre os deveres da escola e os jogos de rua. Quim quer seguir as pisadas do pai e trabalhar de sol a sol no campo. O medo bloqueia-lhe as ambições. Luz sonha com um futuro diferente. A sua imaginação leva-a a entrar na camioneta do Tio Abílio e partir rumo à cidade. Ao desconhecido. Com o coração apertado de saudades, mas confiante de que a vida lhe vai dar tudo aquilo que ela mais deseja. Porque a vida é uma viagem repleta de desafios que se nos aparecem, é porque estamos prontos a enfrentá-los.
               
Minha Opinião:
Por vezes é na simplicidade das palavras e dos enredos que conseguimos obter histórias simplesmente fantásticas, que nos levam a viajar no tempo e através de descrições belas e de diálogos lindos. Este livro é um exemplo vivo, da luta e de como podemos concretizar os nossos sonhos sem nos tornarmos ambiciosos demais nem egoístas.
Maria da Luz, mais conhecida por Luz é uma menina muito inteligente e muito aplicada na escola, Quim o seu irmão mais novo um ano, é mais preguiçoso e menos sonhador, sem grandes ambições. Luz e Quim retratam uma família pobre da década de 50 que vive no interior do nosso país, o grande sonho de Luz é vir a ser professora, mas para isso tem que se deslocar para Lisboa após terminar a antiga 4.º classe, algo que ela sabe que não pode concretizar devido à pobreza extrema em que a família vivia. Contudo Luz continua a querer ir viver para a capital e ser alguém, ter um trabalho digno, para poder aliviar a família das aflições do dinheiro.
Após muitos pensamentos, muitas conversas com a sua mãe e com a sua professora, a mãe de Luz pede à sua irmã que morava em Lisboa, para receber a sua filha em casa dela, Luz só tinha 10 anos.
Este é um retrato muito bonito sobre a vida de uma menina de 10 anos que sai da sua aldeia para ser uma mulher com M maiúsculo.

Este livro de Fátima Lopes é de leitura fácil mas transmite muitas lições de vida, tal como está escrito na contracapa é dos 8 aos 80 anos. Aconselho a sua leitura que apesar de simples maravilhou-me muito. O livro está dividido em catorze capítulos e cada um deles começa com uma frase, qual delas a mais bonita. Vou transcrever a frase inicial de cada capítulo pois achei maravilhosas e certamente vou querer reler-las.

CAPITULO 1
"Sempre com os pés bem assentes no chão, os horizontes bem definidos e a certeza de que mereço o melhor. Só abrindo-me a receber tudo o que a vida tem de bom para me dar, sou capaz de os outros."

CAPITULO 2
"Uma pessoa que não sonha, não evolui, não vive coisas novas, não passa da cepa torta. São realmente os sonhos que comandam a nossa vida. Quando se deseja e acredita muito numa coisa, ela acontece e no momento certo. Mas acontece, se for o melhor para nós, porque às vezes a vida está preparada para nos dar ainda mais do que sonhámos.  Temos é de ser positivos, porque isso abre portas."

CAPITULO 3
"A imaginação faz maravilhas"

CAPITULO 4
"Está tudo dentro de ti, da tua cabecinha. As pessoas que se perderam foram aquelas que usaram as suas cabeças contra elas próprias."

CAPITULO 5
"O medo bloqueia tudo, só serve para atrasar a nossa vida e ainda por cima tem o poder de criar aquilo de que temos medo."

CAPITULO 6
"Se alguém viveu uma situação negativa, isso teve a ver com a sua forma de pensar e funcionar. Não quer dizer que tu vais viver a mesma coisa. Portanto não projectes a tua vida em função da dos outros. Escuta-te a ti, ao teu interior e projecta o que tu realmente queres para ti e acreditas ser o melhor."

CAPITULO 7
"Não desperdices o teu tempo com críticas. Aprende a interpretar o que acontece e lembra-te sempre que é mais uma oportunidade de evoluir."

CAPITULO 8
"A vida anda sempre para a frente, mesmo quando o coração pede para que paremos o tempo."

CAPITULO 9
"Sê ambiciosa e goza cada ambição realizada. Acredita em ti, reconhece tudo o que tens de bom e tudo o que tens capacidade de concretizar. Os outros só reconhecerão o teu valor, se tu o reconheceres primeiro."

CAPITULO 10
"é mais útil na nossa vida um estado de tristeza por causa de uma verdade do que um estado de alegria por causa de uma mentira. A pessoa que não sabe aceitar e respeitar opiniões diferentes das suas perde constantemente a oportunidade de evoluir."

CAPITULO 11
"Sejam bons seres humanos, respeitem-se a vós e aos outros, oiçam o vosso coração e a vida vai dar-vos o melhor, a todos os níveis, simplesmente porque merecem."

CAPITULO 12
"Já percebi que ser mais ou menos não é nada. Ou se é bom ou se é mau e eu quero ser boa."

CAPITULO 13
"Quando um desafio vem ter comigo, é porque eu estou pronta para o realizar com sucesso! Não vou dizer que não por medo."

CAPITULO 14
"Tudo é possível. Depende só da nossa cabeça e das pessoas que escolhemos para o nosso universo."

Aconselho a leitura do livro eu gostei muito.
Classificação Gostei muito_ 4.
Boas leituras;)

Um selinho da amiga Carolina do blogue "Era uma vez..."

Muito obrigada Carolina, adorei mesmo muito.
Beijinhos e continua com o teu trabalho maravilhoso.
Boas leituras;)

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Homenagem ao blogue "Era uma vez..."

Esta é uma pequena homenagem que quero fazer ao blogue da minha querida amiga Carolina. Para ti minha querida tenho este selinho que espero que gostes e que não te sintas na obrigação de retribuir, ofereço-te com muito carinho e com muito afecto, mais uma vez espero que gostes e que o coloques no teu recanto, encantado..."Era uma vez..." 

Beijinhos muito especiais adoro o teu blogue e aconselho a todos que não o conhecem que espreitem no "Era uma vez..." acreditem que vão gostar.
P.S. Mais uma vez uma alerta não consigo escrever comentários.

Beijocas;)
Boas leituras;)

ATMOSFERA DOS LIVROS...


Neste momento é exactamente assim que me sinto...com os livros a flutuarem por cima da minha cabeça. 

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Mais um desafio ultrapassado...

 
No ano de 2010 quando foi fundado este blogue atingi os dezanove livros lidos, o que para mim foi na altura um valor significativo, no ano seguinte cheguei aos 34 livros, recordo que fiquei super feliz. Este ano e em Agosto ja ultrapassei os 34 de 2011, tendo superado o desafio de ler sempre mais que no ano anterior, atingi os 35 livros e ainda faltam quatro messes e meio de leitura. Estou super, mega feliz. Gosto de ultrapassar os meus desafios pessoais.
Nao sei se vou  conseguir ler os 100 livros mas sei que estou mais perto do que nos outros anos.
Boas leituras;)

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Saga do Harry Potter....

 
Saiu faz algum tempo umanova ediçao da Saga do Harry Potter...as capas sao diferentes e a meu ver mais assustadoras.
 

 Algum de voces pensou ou comprou mesmo, ou gostava de comprar, a Saga do Harry Potter com estas novas capas?
Eu adorava ter pois esta saga e  a minha preferida dentro da fantasia e seria uma colecionadora.
 
P.S. Desde ja peço desculpas pela acentuaçao nao estar feita mas estou a escrever no computador do hotel e e sempre assim.
Bjs...
Boas leituras.....Respondam Por Favor...
 

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Opinião sobre o livro "A vida na porta do frigorífico" de Alice Kuipers


Sinopse
Há famílias que encontram diferentes registos de comunicação e que apesar de parecerem inusitados à generalidade das pessoas, resultam num perfeito entendimento. Este é o caso deste romance escrito em simples notas deixadas, ao longo de quase um ano, na porta do frigorífico, por mãe e filha. A mãe é uma mulher de 44 anos, divorciada, cuja profissão, médica obstetra, a absorve tanto que não lhe deixa tempo para falar com a filha de 15 anos. Minutos de desencontro que lhe permitem somente deixar pequenas notas coladas na porta do frigorífico da casa onde ambas habitam. Através das notas ficamos a conhecer a vida destas duas protagonistas e a triste notícia de que a mãe sofre de cancro mamário. Um enredo original pautado pelo melodrama.

Devo avisar que este comentário tem spoilers.
Minha Opinião:
Não sei por onde começar, este livro foi uma surpresa, uma excelente surpresa, que me fez rir e encher de lágrimas os meus olhos.
De leitura fácil mas com uma intensidade extrema, um relato de um drama familiar. Uma Mãe e uma filha que comunicam através de recados que vão deixando na porta do frigorífico. Esta foi a forma de comunicarem uma com a outra dado a escassez de tempo.
A filha que a mãe chama de coelhinha, com carinho, chama-se Claire é uma adolescente e como todas as adolescentes pensa que o mundo gira em torno do seu umbigo, a Mãe é uma médica obstetra, que adora o que faz e dedica a sua vida à profissão.
Quando menos esperamos bate-nos à porta aquilo que julgamos só acontecer aos outros, Claire que nunca está com a mãe depara-se com os seus problemas característicos da adolescência, namorado instável, amizades conflituosas. Os seus pais são divorciados, mas isso parece não ser um grande problema para esta família, lidaram muito bem com esse tema.
O tema que este livro foca e a meu ver apesar de ser de uma forma leve é dramática _O CANCRO DA MAMA_ mãe de Claire está a atravessas a fase da descoberta de um caroço, vai ao médico oncologista e não dá muita importância ao assunto, facto típico dos médicos. De seguida vem o drama de retirar um peito, radioterapia e a fatal quimioterapia, internamento e morte. Com tudo isto a sua coelhinha (sua filha), cresce aprende com a dor da vida a tornar-se uma jovem adulta que encontra no seu amigo de sempre, James o seu apoio e namorado.
Um livro que mexeu muito comigo, porque também faça parte do grande grupo que diz que essas coisas só acontecem aos outros. Mas este é um pensamento demostrativo do medo.

Aconselho vivamente a sua leitura, tem um título leve e engraçado, mas engana-se quem pensa que é um livro igualmente leve.

Classificação: 5- Adorei

A Autora ...

Alice Kuipers nasceu em Londres em 1979 e estudou em Manchester, onde realizou um mestrado em escrita criativa. Publicou poesia e contos em revistas literárias, antes de se aventurar pelo romance. A Vida na Porta do Frigorífico foi adquirido por 21 países. A autora vive actualmente no Canadá.

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Opinião do livro "O Grande Gatsby" de F. Scott Fitzgerald

Pré-visualizar                         
Título em português: ”O Grande Gatsby”
Título original: “The Great Gatsby”
Livro de Bolso
Autor: F. Scott Fitzgerald
Edição/reimpressão: Agosto de  2011
Páginas: 224
Editor: 11 X 17
ISBN: 9789722523417


Sinopse
Justamente considerada uma das mais importantes obras de ficção do século XX, O Grande Gatsby é um retrato notável da era dourada do jazz em toda a sua decadência e excessos. Pelos olhos do provinciano Nick Carraway, conhecemos a história do misterioso Jay Gatsby, um milionário que subiu na vida a pulso, movido pela paixão quixotesca que nutre pela jovem Daisy, uma rica herdeira bela e frívola. A sua obsessão por ela fá-lo reinventar-se para por fim poder reclamar a sua amada, numa autêntica encarnação do sonho americano. Porém, o reencontro de ambos acaba por desencadear uma série de acontecimentos trágicos, com Gatsby a ser vítima não apenas da sua ambição, mas da insensibilidade e falta de valores que imperam na sociedade americana da época.

A minha opinião:
Nick acha que consegue reatar a ligação amorosa entre Daisy e Gatsby, que tiveram a sua oportunidade no passado mas seguiram caminhos diferentes, a vida dela mudou com o passar dos anos e Gatsby foi para a guerra. O protagonista da história de uma forma imprevisível, está determinado para ver Gatsby e Daisy reatarem um romance, cria toda uma trama, pois a guerra fora o autor dessa separação, e assim Nick faz uso de muitas anedotas que sempre são o limite entre a realidade e a ilusão. Devido a essa ilusão romântica Jay Gatsby procura ainda Daisy que em última instância contribui para a queda dele e o fim trágico do romance.
Certa tarde num passeio que Gatsby, Daisy, Nick, Jordan e Tom (marido de Daisy e que tem uma amante) fazem com que todo o passado venha ao de cima; a deslealdade, desconfiança, risco e luxúria manifestam-se, primeiro com a discussão em torno dos sentimentos de Daisy e a declaração de Gatsby para Tom que Daisy e Gatsby sempre se amaram, embora casada com Tom, após muita discussão, Daisy muito nervosa, resolve ficar com Gatsby e, dirige o carro de volta a mansão é nesse instante que a Sra. Wilson discute com seu esposo, e a condução a alta velocidade de Daisy, acaba por matar a senhora Wilson que se joga na frente do carro e morre. O seu marido Sr. Wilson fica desesperado, contudo, mais tarde Tom procura Sr. Wilson e conta que o carro que atropelou Myrtle Wilson, a sua esposa foi o do Gatsby. Na posse desta informação Wilson vai atrás de Gatsby, acabando por disparar a  arma de fogo contra Gatsby e suicida-se em seguida . A vítima que é ninguém mais que a figura central do livro, o próprio Jay Gatsby.
Devo dizer que gostei muito deste livro que como li na internet, algures quando decidia se lia ou não este romance: ”O romance vai num ritmo cambaleante, e Nick Carroway termina onde ele começou; no mesmo princípio do romance, e fecha... com uma representação dos sentimentos dele de admiração relativo a Gatsby, homem que muitos conheciam enquanto podia proporcionar divertimento e na hora de seu enterro não havia quase ninguém que fosse desperdir-se.[BR] Simone Andrea S.F.”
Este não é o primeiro livro que leio deste escritor e devo dizer que ambos me surpreenderam pela positiva, o outro livro foi "O Estranho caso de Benjamin Button" foi tal como este adaptado ao cinema, tenho que os ver pois os livros são fabulosos. Mais uma bela descoberta no ano de 2011.

Classificação: Gostei muito_4 em 6
Boas Leituras;)