quarta-feira, 31 de julho de 2013

Livros para a minha mala de viagem...


Fazer a mala para as minhas férias fora de casa é sempre muito difícil, não pela roupa mas pelos livros que vou levar de férias. Fico sempre na dúvida ... levo livros grossos, sagas, finos, fantasia, policiais, romances...Entro sempre na dúvida do que vou colocar na mala pois sei que vou ler durante muito tempo, dado que as minhas férias são nas termas e não na praia.
Livros que vão na bagagem...

  • As Pontes de Madison Country;
  • Vencendo o passado;
  • O enigma das cartas anónimas;
  • O comboio das 16h50;
  • O espelho quebrado;
  • Os treze enigmas;
  • Sonhos Proibidos;
  • Melodia do amor;
  • Segue o coração;
  • Casado até quarta;
  • As Paixões de Júlia;
  • O café do amor;
  • Vamos todos matar Constance.
Escolha feita, talvez livros de mais mas prefiro que assim do que levar livros a menos e depois teria que comprar algum fora com tantos em casa.
Convém salientar que esta listagem de livros é para mim e para a minha mãe, por isso ser uma lista tão alargada, pois tem que corresponder aos meus gostos e aos dela.
Agora sim posso desejar boas férias e muito descanso, com muitas leituras à mistura;)
Boas leituras!

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Minha opinião sobre _ O amor é outra coisa_ de Margarida Rebelo Pinto_

O Amor é Outra Coisa
de Margarida Rebelo Pinto
Edição/reimpressão: 2012
Editor: Clube do Autor
ISBN: 9789897240447

Sinopse:

O amor está antes e depois de tudo porque há sempre uma nova forma de o viver. O amor está em cada gesto que fazemos, tem as cores da amizade, da devoção, da maternidade, da família, do trabalho, da casa, da vida de todos os dias. Descubra o novo romance de Margarida Rebelo Pinto, depois da sua incursão pelo romance histórico com Minha Querida Inês.


Frases que marcaram:

"Por mais que me custe aceitar, o meu porto de abrigo já não passa por ti.Na verdade não passa por ninguém. Temos de o encontrar dentro de nós, ou estaremos perdidos para sempre"

"Somos sempre na vida dos outros mais do que aquilo que imaginamos"

"Há um limite para o sofrimento. E és tu que tens que escolher."

Minha opinião:

Mais um livro simples e leve para ser lido numa tarde numa qualquer esplanada.
Gostei.
Boas leituras!

sábado, 20 de julho de 2013

A escritora_Agatha Christie_

Agatha Christie

"Agatha Christie nasceu Agatha May Clarissa Miller, em Torquay, na Grã-Bretanha, em 1890. Durante a I Guerra Mundial, prestou serviço voluntário num hospital, primeiro como enfermeira e depois como funcionária da farmácia e do dispensário. Esta experiência revelar-se-ia fundamental, não só para o conhecimento dos venenos e preparados que figurariam em muitos dos seus livros, mas também para a própria concepção da sua carreira na escrita. Com o seu segundo marido, o arqueólogo Max Mallowan, Agatha viajaria um pouco por todo o mundo, participando activamente nas suas escavações arqueológicas, nunca abandonando contudo a escrita, nem deixando passar em claro a magnífica fonte de conhecimentos e inspiração que estas representavam.
Autora de cerca de 300 obras (entre romances de mistério, poesia, peças para rádio e teatro, contos, documentários, uma autobiografia e seis romances publicados sob o pseudónimo de Mary Westmacott), viu o seu talento e o seu papel na literatura e nas artes oficialmente reconhecidos em 1956, ano em que foi distinguida com o título de Commander of the British Empire. Em 1971, a Rainha Isabel II consagrou-a com o título de Dame of the British Empire. Deixando para trás um legado universal celebrado em mais de cem línguas, a Rainha do Crime, ou Duquesa da Morte (como ela preferia ser apelidada), morreu em 12 de Janeiro de 1976. Em 2000, a 31st Bouchercon World Mistery Convention galardoou Agatha Christie com dois prémios: ela foi considerada a Melhor Autora de Livros Policiais do Século XX e os livros protagonizados por Hercule Poirot a Melhor Série Policial do mesmo século." (retirado do site wook)
Boas leituras!

Férias de verão...

Chegaram as minhas férias de verão, tempo de me deslocar para um local calmo e recatado. Período em que gosto de levar os meus livros pois deste não tiro férias. Afinal o que seria de mim sem o meu passatempo favorito?
Estou a pensar o que vou levar, que livros quero ler e logo que tenha a minha listinha coloco-a aqui para dar a conhecer as minhas leituras e depois comparar com as leituras que fiz na realidade. Isto porque tenho sempre grandes expectativas e levo sempre mais do que na realidade vou ler, mas não me arrependo, assim tenho mais escolhas....
Boas leituras!

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Minha Opinião sobre o livro "Uma escolha por amor" de Nicholas Sparks

Uma Escolha Por Amor
de Nicholas Sparks
Edição/reimpressão: 2007
Páginas: 256
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722338608
Coleção: Grandes Narrativas

SINOPSE:
Passado na costa da Carolina do Norte, o mais recente livro de Nicholas Sparks aborda as consequências de diversas escolhas feitas por Travis Parker, um veterinário, e pela sua vizinha Gabrielle Holland, assistente médica. Travis levava uma vida tranquila até Gaby fazer parte dela. E o mesmo se poderá dizer de Gaby que mantinha uma relação de longa data com o namorado até se apaixonar perdidamente por Travis. Que decisão irá ela tomar? Permanecer ao lado do homem que já conhece ou lançar-se numa nova aventura com um desconhecido? Durante a primeira parte do romance acompanhamos o processo de escolha de Gabby, e os efeitos que terá na vida de ambos. A segunda parte da história tem lugar onze anos depois, quando Travis tem de tomar uma decisão de vida ou morte no seguimento de um acidente de viação. Uma Escolha por Amor confronta-nos com a questão mais profunda de todas: até onde iria para manter viva a esperança do amor? Um livro comovente, ao melhor estilo de Nicholas Sparks.

Críticas de imprensa
«Nicholas Sparks é o senhor dos livros que vendem milhões. Em Portugal, tal como no resto do mundo, os seus livros não deixam os tops.»
Público
«Um dos autores que mais vendem no mundo veio a Lisboa dando centenas de autógrafos a leitores agradecidos pelo sonho que encontraram nos seus livros.»
Diário de Notícias
«Um dos autores mais lidos em Portugal e no mundo confessa a sua paixão pelas histórias reais.»
Jornal de Notícias
«Um americano que seduziu leitores em todo o mundo com as suas histórias de amor.»
Caras
«Sparks escreve lindíssimas histórias de amor.»
Lux Woman

Minha Opinião:
Sem saber muito bem o que haveria de ler, lembrei-me que tinha pelas prateleiras da minha estante alguns livros de Nicholas Sparks que ainda não tinha lido. Procurava uma leitura leve mas romântica, logo não tinha escritor melhor para ler. Enquanto lia este livro fui dando conta das saudades que tinha de um bom livro de Sparks, este é a meu ver o segundo melhor livro dele, dado que o primeiro é sem sombra para dúvidas:"As Palavras que nunca te direi".
"Uma escolha por amor" é um livro fabuloso de leitura compulsiva e que se desenrola na Carolina do Norte, como todos os livros que li dele.
O livro tem como personagens principais Travis que é médico veterinário e Gaby que é Técnica de medicina. Gaby e Travis são vizinhos e conhecem-se quando a cadelinha  de Gaby fica "grávida" e a sua dona culpa o vizinho de não ter cuidado com o seu cão, contudo o cão de Travis é castrado logo não pode ser o responsável do estado da sua cadelinha.
Apesar de não terem tido um bom começo como vizinhos acabam por se tornar amigos...isto porque Gaby tinha namorado que apesar de não lhe dar muita atenção ela nunca se envolveria com ninguém estando comprometida.Pois, tal como em toda a sua vida ela gostava de fazer tudo correctamente, segundo ela Kevin não merecia que ela fosse desleal nem em pensamento. Mas por vezes não conseguimos controlar os nossos impulsos mais intimos  e o inesperado aconteceu, Gaby e Travis apaixonam-se, passando longos períodos de um amor escaldante.
Esta é a primeira parte do livro, na segunda parte algo de inesperado vai acontecer ao casal que agora já tinham dois filhos e estavam casados à 11 anos. 
Onze anos depois Gaby e Travis têm um acidente e isto muda tudo...
Adorei o livro, classifico-o com um Bom.
Boas leituras;)

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Minha opinião sobre o livro_Cisnes Selvagens - três filhas da China-

Cisnes Selvagens
Três filhas da China
de Jung Chang
Grande romance da era pós-Mao, num retrato comovente e doloroso da repressão e da violência no regime comunista chinês.
Edição/reimpressão: 2009
Páginas: 520
Editor: Quetzal
ISBN: 9789725647967
Coleção: Serpente Emplumada

SINOPSE:
Jung Chang decidiu escrever a história da sua família como parte da história da própria China. Começou com a avó, Yu Fang, que aos 15 anos de idade, em 1924, foi obrigada por seu pai a casar-se com um general que já tinha três outras mulheres. Esse era um tempo em que as mulheres ainda eram obrigadas a esmagar e manter amarradas as articulações dos pés, para que seu andar fosse tão gracioso como o movimento dos cisnes nas águas de um lago tranquilo. O resultado é Cisnes Selvagens, um romance fascinante e poderoso, que atravessa três gerações de mulheres de uma família que viveu o entusiasmo, a repressão, a violência e a degradação do regime chinês e do maoísmo. Tendo vendido mais de 80 000 exemplares em Portugal, a Quetzal orgulha-se de relançar esta obra fundamental para compreender a Revolução Cultural chinesa e o regime violento e opressivo que não sobreviveu a Mao Tse Tung, de que Jung Chang também escreveu uma biografia inovadora e polémica.



Outras capas:









Minha Opinião:

Este livro foi-me oferecido pela minha irmã mais velha, no Natal de 1996. Recordo que quando vi o livro tive logo vontade de o desfolhar, no entanto na época andava na faculdade e não consegui dedicar a atenção que ele merecia, tendo desta forma colocando-o de lado, para mais tarde poder dar-lhe toda a minha dedicação, que um livro destes merece. Sempre que olhava para ele, e mesmo agora que o terminei, vem-me sempre uma imagem à cabeça,a tortura que é elaborada para que as chinesas tenham os pés pequenos, facto que agrada muito os homens. Para isso andavam sempre com os pés muito bem amarrados e quando cresciam partiam os ossos para que o pé não cresce-se mais.

No domingo voltei apegar neste livro e quando comecei a desfolha-lo pensando que já não me recordava do enredo, fui mais uma vez surpreendida, existem histórias que não se esquecem, principalmente quando são verdadeiras. Após uma breve pesquisa na internet, depois de ter devorado literalmente as 200 páginas que faltavam para terminar o livro, encontrei este texto que resume de uma forma simples de que se trata este livro, que desde já o recomendo vivamente, para quem gosta do género, claro.

Aqui fica o texto que encontrei na internet:
"Cisnes Selvagens – Três filhas da China’ é uma autobiografia, apesar dela só entrar na terceira parte da história, já que antes conta a história de sua avó e de sua mãe. Uma história da família, diremos assim, que retrata a vida da China do século 20 através da vivência de três gerações de mulheres que passaram por situações de luxo e de extrema pobreza, de alegrias e tristezas profundas, de dor e de luta. Ela começa o livro contando a vida de sua avó, que nasceu em 1909, no final do Império Manchu, que ainda teve os pés deformados pelos costumes da época e aos 15 anos foi entregue como concubina de um influente político/militar. No meio da confusão política e administrativa por que passava a China, com a derrubada do Império e instituição da Republica (que já nasceu completamente desestruturada e logo foi derrubada), nasceu sua filha (mãe de Jung Chang).
Sua mãe, aos 15 anos entrou para o Partido Comunista e lutou avidamente pela libertação da China. No auge da revolução ela conheceu o pai de Jung e casaram-se em meio às rígidas regras impostas pelo regime. Quando a Revolução Cultural começou, Jung era adolescente e chegou a participar do Exercito Vermelho. Os pais foram considerados ‘seguidores do capitalismo’, perseguidos e torturados. Foi quando ela começou a questionar as acções do governo e a real intenção da revolução.Esse livro foi publicado em 1991, e logo se tornou um ‘Best seller’ premiado. Foi traduzido em 30 idiomas e vendeu mais de 10 milhões de cópias. Hoje está na 18° edição, se não me engano, fora as edições de bolso, que entram numa outra contagem. Ele é proibido na China também, mas há algumas versões não oficiais vindas de Taiwan e Hong Kong circulando por aqui! =]Li Cisnes Selvagens depois de ler a Biografia de Mao, o que de certo modo, achei que facilitou minha vida. Como não conhecia quase nada da história recente (e nem da antiga…uiiii) da China, ficou mais fácil de entender os relatos e as épocas que viveram cada uma das mulheres. Quando era citado algum fato histórico, eu já sabia do que se tratava, pois nesse livro ela cita vários fatos, mas nunca se aprofunda em explicações históricas. O foco é contar a vida de três gerações de mulheres chinesas. Claro que é a história da vida dela e da família. Ela conta como quer, mas por histórias pessoais que li em outros livros, essa não me pareceu nada absurda, como alguns críticos dizem hoje, após a biografia de Mao, que foi editada em 2005. Já citei no outro post que a biografia é muito questionada, apesar de constar uma vasta bibliografia e a autora ter demorado 12 anos para terminar o livro.Sinceramente gostei muito do livro, independente da política, da revolução, da história estar muito ‘floreada’ ou ‘exagerada’, ele relata bem a luta de mulheres para sobreviver no século 20, como tantas outras em tempos históricos diferentes e situações diversas. É um relato apaixonado. Fico imaginando como deve ser difícil você ter que parar e organizar toda a trajetória de sua família, lembrar-se de fatos que talvez fosse melhor esquecer e ainda colocar tudo isso no papel. Esse é um exercício de auto conhecimento e aceitação pessoal sem tamanho.Sobre a China, o livro ajuda muito a entender a relação da mulher com a sociedade chinesa. A falta de valor, o uso como moeda de troca para obter bons negócios ou parceiros (isso vamos ver em outros livros, de outros autores também), e o quanto deve ter sido difícil essas mulheres chegarem à situação social que tem hoje, pelo menos aqui em Shanghai. Sei que no interior do país, na parte mais pobre e que ainda quase não há recursos básicos como água e esgoto (sabe o sertão do nordeste brasileiro? Mais ou menos isso) ainda existe muita discriminação e condições precárias de vida. Mas o que a mídia mostra hoje é a mulher chinesa se impondo, ganhando seu espaço e mostrando que aqui, quem trabalha mesmo, para valer é a mulher! Haja visto que é uma mulher que detém a maior fortuna da China.E também, após esse livro, mais alguma coisa sobre meu olhar para o povo chinês se modificou, se humanizou. Menos julgamento e mais entendimento. Mas isso é algo que todos os livros que li me deram um pouco, me trouxeram informações e pontos de vista diferentes, de épocas diferentes e que fez toda diferença para a minha adaptação e aceitação dessa cultura."
Texto da autoria de Zái Jiàn 
Dado que achei esta opinião brilhante e de um conhecimento muito bem cimentado coloquei-a aqui e espero que gostem como eu tanto da opinião como do site de onde foi retirada, aconselho vivamente a sua consulta.

Boas leituras!

A escritora _ Jung Chang_

Jung Chang

"Jung Chang nasceu a 25 de Março de 1952, em Yibin, na província de Sichuan. Os seus pais eram militantes e dirigentes do Partido Comunista. Aos 14 anos, Jung tornou-se membro da Guarda Vermelha, em plena Revolução Cultural - foi por recusar atacar os seus professores e os seus pais, no clima de violência criado por Mao, que a levou à oposição ao regime. Em Cisnes Selvagens, Jung trata o modo como Mao perseguia, até à morte, os seus opositores. Deixou a China em 1978, vive em Londres e escreveu (com o seu marido, o historiador Jon Halliday) a mais longa, exaustiva e polémica biografia do dirigente chinês."(retirado do site Wook)

Boas leituras!

Minha opinião do livro _"O Silêncio das lágrimas"_ de Fauziya Kassindja

Sinopse:
A história pungente de Fauziya Kassindja inicia-se no Togo, pequeno país de África, onde viveu uma infância desafogada sob a asa protectora de um pai progressista que rejeitava a prática tribal da poligamia e da mutilação genital feminina. Porém, quando o pai morreu, em 1993, a vida de Fauziya foi forçada a casar com um homem que mal conhecia – que já possuía três esposas, e que insistia no ritual tribal, - prática realizada sem anestesia nem antibióticos. (...)
Minha opinião:
Este foi um livro que mexeu muito comigo, tinha-o na minha mesa de cabeceira fazia mais de três anos para o terminar. Questionei-me o porquê de não o terminar dado que faltavam somente cerca de cem páginas, a resposta veio ao de cima logo que retomei a sua leitura ontem à noite, parei porque não consegui ler mais dado o tema que era abordado_mutilação genital feminina_. Apesar da distância temporal desde o dia em que comecei a ler e o dia que terminei, consigo imaginar tudo que estas páginas relatam, como se não tivessem passado nem 3 dias. 
O livro é deveras brilhante com um tema arrepiante e que infelizmente ainda continua a ser praticado em muitas tribos africanas, é uma história verídica que relata todo o percurso de uma jovem que após a morte do pai se vê a braços num casamente com um homem muito mais velho que ela e consequentemente é vítima da mutilação genital.
Aconselho vivamente a sua leitura!
Classificação_Muito Bom_
Boas leituras!

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Minha opinião sobre o livro _ A Rapariga de Papel de Guillaume Musso_

A Rapariga de Papel
de Guillaume Musso
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 356
Editor: Bertrand Editora
ISBN: 9789722526388

Sinopse:
"Há apenas alguns meses, Tom Boyd era um escritor famoso em Los Angeles, apaixonado por uma célebre pianista. Mas na sequência de uma separação demasiado pública, fechou-se em casa, sofrendo de bloqueio artístico e tendo como única companhia o álcool e as drogas. Certa noite, uma desconhecida aparece em sua casa, uma mulher linda e completamente nua. Diz ser Billie, uma personagem dos romances dele, que veio parar ao mundo real devido a um erro de impressão do seu livro mais recente. 
A história é uma loucura, mas Tom acaba por acreditar que aquela deve ser de facto a verdadeira Billie. E ela quer fazer um acordo com ele: se ele escrever o seu próximo romance, ela poderá regressar ao mundo da ficção. Em troca, ele ajuda-a a reconquistar a sua amada Aurore. O que tem ele a perder?"


Críticas de imprensa
«Este romance excêntrico agarrou-nos.»
Bella

«Guillaume Musso publica agora aquele que é provavelmente o seu melhor romance. A intriga está muito bem trabalhada e o tema é particularmente bom e surpreendente.»
Le Figaro Littéraire

«A Rapariga de Papel é um truque de magia delicioso.»
Le Parisien

Minha Opinião:
Acabei agora mesmo de ter ler mais um livro de Musso e mais uma vez dou os meus parabéns a este escritor, amei o livro. Já li alguns dos seus livros e não consigo dizer de qual gostei mais, todos eles me surpreendem pois têm um enredo delicioso e rico em personagens magnificamente bem estruturadas.
Desde já alerto para o facto de este livro ter um final que só é revelado na última página, o que me deixou ainda mais agarrada à leitura.
Três amigos de infância Tom, Milo e Carole, que se tornam amigos para a vida devido às circunstâncias em que se conheceram e a um meio social decadente que faz com que eles se unam com toda a força. Tom torna-se escritor de sucesso e Milo trabalha juntamente com Tom para promoção dos seu livros, sendo desta forma o seu agente, por fim Carole é polícia. 
Tom apaixona-se por uma pianista muito famosa e com o rompimento da relação, refugia-se na bebida, nos calmantes e ansiolíticos, isola-se da sociedade e também dos seus amigos.
Certo dia surge-lhe uma mulher toda nua na varanda da sua luxuosa casa, dizendo ser Billie, a personagem da trilogia que Tom estava a escrever o terceiro volume, deveria estar, pois no seu estado não escrevia nem uma linha.
Billie diz ter caído no mundo real por causa de uma tiragem de 100 000 exemplares que só imprime até meio do livro. Tom não acredita mas após uma série de questões colocadas a Billie, e mais umas quantas provas dadas por ela, o escritor acaba por acreditar. Tom e Billie fazem um acordo em que Billie tem de fazer a famosa pianista voltar para Tom e por seu lado Tom tem que escrever o terceiro volume para que Billie volte para o seu mundo de ficção.
No meio disto tudo Milo, agente de Tom, perde fortunas de dinheiro e colocasse numa situação delicada de falência. 
Não vou adiantar mais pois dessa forma tirava a beleza ao livro.
Adorei a leitura, ainda estou estonteada com as reviravoltas do livro e com o final surpreendente.
Aconselho vivamente...

Excerto:
"A nossa liberdade constrói-se  sobre aquilo que os outros ignoram da nossa existência"

Classificação _ 6_Excelente

Boas leituras!