sexta-feira, 28 de julho de 2017

Opinião - "Escrito na Água" da escritora Paula Hawkins

Sinopse:

«Um thriller intenso, da autora do bestseller mundial A Rapariga no Comboio

CUIDADO COM AS ÁGUAS CALMAS. NÃO SABEMOS O QUE ESCONDEM NO FUNDO.
Nel vivia obcecada com as mortes no rio. O rio que atravessava aquela vila já levara a vida a demasiadas mulheres ao longo dos tempos, incluindo, recentemente, a melhor amiga da sua filha. Desde então, Nel vivia ainda mais determinada a encontrar respostas.Agora, é ela que aparece morta. Sem vestígios de crime, tudo aponta para que Nel se tenha suicidado no rio. Mas poucos dias antes da sua morte, ela deixara uma mensagem à irmã, Jules, num tom de voz urgente e assustado. Estaria Nel a temer pela sua vida?Que segredos escondem aquelas águas? Para descobrir a verdade, Jules ver-se-á forçada a enfrentar recordações e medos terríveis há muito submersos naquele rio de águas calmas, que a morte da irmã vem trazer à superfície.
Um livro profundamente original e surpreendente sobre as formas devastadoras que o passado encontra para voltar a assombrar-nos no presente. Paula Hawkins confirma, de forma triunfal, a sua mestria no entendimento dos instintos humanos, numa história com tanta ou maior intensidade do que
A Rapariga no Comboioretirado do site wook

Opinião:
Após o sucesso do primeiro livro de Paula Hawkins, "A Rapariga no Comboio", confesso que estava um pouco reticente quando comprei este livro. Após a leitura da sinopse, vi logo que  o tinha de ler, até porque, ao longo da leitura de algumas opiniões deixadas no Goodreads, apercebi-me que existe uma certa controvérsia em relação ao livro.
Ao longo da leitura deste notei que a autora evoluiu muito, tanto ao nível do enredo, com muito mais suspense, como também ao nível da própria estrutura do livro. Hawkins fez uma coisa que, como leitora, aprecio bastante...colocou a versão de cada uma das diferentes personagens sobre as atribuladas e arrepiantes mortes no rio de águas calmas.
Confesso que no início da leitura tive de escrever no meu diário de leitura (desculpem a repetição) as diferentes personagens que iam dando o seu parecer sobre o que aconteceu ao longo dos tempos naquele local, pois eram algumas personagens.
Confirmou-se a meu ver a mestria que Paula Hawkins tem em caracterizar as diferentes personagens, tal como no anterior livro. Costumo dizer que gosto de sentir, quando leio, que estou atrás de uma porta a observar o desenrolar dos acontecimentos. Com a caracterização pormenorizada que é feita das diferentes personagens tive aquela sensação maravilhosa de que as conhecia, até melhor do que elas se conhecem a si mesmas. 
Ao longo do livro fui arrebatada com a extraordinária capacidade da introdução de novos acontecimentos e essencialmente o modo como foram introduzidos. Não estava a contar com um livro tão intenso, a meu ver este está carregado de suspense, mistério e algum misticismo o qual tornou esta leitura muito viciante.
As histórias das diferentes mulheres que aparecem mortas no rio não são pura coincidência, estão interligadas umas com as outras, o que me obrigou a uma redobrada atenção. As mulheres que apareceram mortas no rio, segundo os habitantes da pequena vila, eram mulheres que se suicidaram  no rio, o mesmo rio que em séculos anteriores guardava nas suas águas bruxas e videntes.
Adorei a personagem Nel, a sua filha Lena e a Jules e não Julia, irmã da Nel. Confesso que gostei muito do Sean, apesar de não ser o protótipo de inspetor nem marido perfeito, muito longe disso, cativou-me pela sua infância atribulada e que de certa forma se reflete no homem que é enquanto adulto. Gostei muito da Lena, apesar da sua prepotência e arrogância, defendeu sempre a sua maior amiga a Kate (uma das duas últimas vitimas do rio, sendo a última a Nel, mãe de Lena). A esposa de Sean, não me cativou, apesar de ter de admitir a sua perspicácia, contudo não compreendo o modo de ela encarar as traições do Sean, não acho que uma mulher tenha que se sujeitar a tal humilhação.
Nel e Jules são irmãs que devido a uma série de mal entendidos, que ocorreram na sua infância, afastam-se...o que na vida real acontece com frequência.
Quando Nel aparece morta no rio, Jules tem de regressar à terra que ela nunca mais queria voltar, mas tendo a sua sobrinha Lena que sendo menor de idade tem de ficar sobre a responsabilidade de Jules. Quando chega é confrontada com, uma sobrinha fria e aparentemente distante, com memórias de um passado que à muito ela queria ter enterrado, mas que acabou por vir ao de cima e fez com que Jules se sentisse culpada pelo seu afastamento da irmã e compreendesse que a mesma nunca sonhou o que ela tinha sofrido.
Uma questão continua no ar até às últimas páginas do livro: Quem é o responsável pelas mortes no rio? Será que existe mesmo um responsável ou as mulheres com problemas do foro pessoal e até psiquiátrico sentem uma estranha atração pelo mesmo???
Ao longo da leitura, fui tendo diferentes suspeitos, acho que só mesmo no final é que encontrei o verdadeiro assassino de Nel. Mais um motivo que me fez ter gostado tanto deste livro.
Adorei esta leitura, este é o livro revelação de Paula Hawkins, a meu ver claro. Se continuar com esta evolução acho que temos aqui uma autora com um enorme potencial para vir a ser considerada mestre do thriller e do suspense.
Classificação 5***** no Goodreads.

Excelentes leituras!

2 comentários:

  1. Eu li "A Rapariga no Comboio" e gostei muito, não conhecia ainda este novo livro da Paula Hawkins. Obrigado pela dica e parabéns pelo blog :)

    Bitaites de um Madeirense

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Paulo,
      Eu também gostei do livro "A Rapariga no Comboio" mas a meu ver este é muito melhor, tal como referi na opinião nota-se um grande amadurecimento da escritora.
      Se puderes lê para depois eu ler a tua opinião;)
      Que bom teres gostado do blog;)
      Beijinhos e boas leituras.

      Eliminar